Em um GP da Malásia recheado de trapalhadas, até a vitória de Sebastian Vettel foi fruto de um “erro”. Antes de receber a bandeirada em primeiro, porém, o alemão da RBR viu Fernando Alonso abandonar logo na segunda volta após insistir em ficar na pista com a asa da Ferrari quebrada, viu também Lewis Hamilton, hoje na Mercedes, pagar um mico daqueles ao tentar parar nos boxes de sua ex-equipe, a McLaren. Vettel também aprontou. Parou muito cedo para colocar pneus de pista seca e perdeu a liderança para Mark Webber. Mas recuperou a ponta nas voltas finais após um intenso duelo com o australiano, para ganhar a corrida.

Apesar da dobradinha, nada de festa. Pelo contrário, após a prova, o clima era dos piores. No rádio, a RBR parabenizou Vettel pela vitória, mas disse que “precisava conversar”. Ele havia ignorado ordens da equipe para segurar o ritmo, não ameaçar o australiano e poupar pneus. A atitude do alemão deixou Webber irritadíssimo. Na pista, ele mostrou o dedo médio (vídeo) para o companheiro ao ser ultrapassado. Depois, disparou contra Vettel e a equipe: “Protegido”. Constrangido, o alemão admitiu o erro e pediu desculpas: “Cometi um grande erro”. E na “corrida dos 7 erros”, o do tricampeão lhe rendeu a vitória e a liderança do campeonato, com 40 pontos.

Felipe Massa foi outro que não passou ileso à movimentada corrida no circuito de Sepang. Viu suas chances de vitória irem embora logo nos primeiros metros, ao largar mal e despencar para sexto. No fim, ainda recuperou uma posição e terminou em quinto.

Após a corrida, saia justa entre Vettel, Webber e os funcionários da equipe austríaca. Vencedor, o alemão manteve o semblante sério na saída da pista. Conversou com o projetista Adrian Newey e depois ouviu as reclamações de Webber. No pódio, o clima seguiu ruim. A dupla esboçarou sorrisos constrangidos e sequer se cruzaram ao estourar o champanhe. A RBR também cancelou a tradicional foto da vitória com os funcionários da equipe.

único que tinha motivos para celebrar no pódio foi Hamilton, seu primeiro pela Mercedes. E por falar no time alemão, Hamilton e Rosberg também protagonizaram uma bela disputa entre companheiros até o chefe do time Ross Brawn interferir e mandar a dupla “levar os carros para casa”. Duelo que também rendeu pano para manga. Rosberg não ficou nada satisfeito com a interferência de Brawn e disse que “guardaria o episódio” para usar a seu favor no futuro.

Em um domingo em que nem vencedor teve muitos motivos para sorrir, foi grande o número de pilotos decepcionados. O primeiro deles foi Alonso. O dia que era de comemoração pelo seu 200º GP, se transformou em fiasco. O espanhol abandonou na segunda volta, após um erro primário, quando teimou em ficar na pista, com o bico da Ferrari quebrado.

Jenson Button foi outro que deve ter ficado chateado. Depois de perceber, na Austrália, que o carro da McLaren não era tão competitivo, o britânico andou bem em Sepang. Figurou entre os cinco primeiros e chegou a liderar rapidamente antes de uma das paradas nos boxes. Mas um erro da equipe em seu pit stop acabou com as chances de um bom resultado.

A Force India também saiu frustrada. Após uma estreia promissora na Austrália, os dois pilotos da escuderia enfrentaram problemas em seus pit stops e, por motivo de segurança, seus carros precisaram ser recolhidos.

A Fórmula 1 volta no dia 14 de abril para o GP da China.