O novo chefe do Criciúma chegou falando em Série A. Oswaldo Alvarez, o Vadão, assinou contrato com o Tigre até o fim da temporada e tem como principal missão conseguir a permanência do time catarinense na primeira divisão do Brasileirão, mesmo assim o Campeonato Catarinense não foi esquecido. O técnico sabe das dificuldades do time e assistiu a partida contra o Camboriú, no último sábado quando o Criciúma venceu o jogo por 2 a 1.

— Uma coisa evidente no futebol moderno é que um time tem que ocupar o campo adversário o máximo que puder. O primeiro tempo contra o Camboriú foi mais consistente e, apesar dos gols, o segundo tempo foi muito mais lá e cá. A equipe foi mais vulnerável. Conversei com o Silvio e ele me passou as dificuldades, os atletas machucados, que chegaram recentemente. Nós vamos conhecer os atletas e trabalhar — analisou Vadão.

Para o novo treinador do Tigre a maior dificuldade do time neste momento será encontrar atletas para contratar. Vadão explica que o momento é ruim para pois os campeonato estaduais estão entrando em reta final de competição e os times estão disputando classificação, título ou até lutando contra o rebaixamento, assim existem poucas opções no mercado. Além disso, o prazo de inscrição para atletas na Federação Catarinense de Futebol termina no dia 25 de março, uma segunda-feira.

— Agora que vou conhecer os atletas e analisar. Tem três deles que já trabalharam comigo. O Elson eu treinei na Ponte Preta, já o Fabinho e o Ewerton Páscoa foram vice-campeões paulista ano passado comigo. Para novos atletas, o prazo para inscrição está chegando e outros campeonatos estão em fase decisiva. O momento não é o mais fácil para contratar. Vamos planejar o futuro e ver o que podemos fazer no presente. Hoje começamos a trabalhar com um pouco mais de rapidez. Se não conseguir resolver essa situação de momento, teremos mais tempo para o Brasileiro.

Nos últimos anos Vadão trabalhou apenas em times que estavam disputando a Série B. O último clube do treinador foi o Sport de Recife e em 12 jogos no comando do Leão da Ilha, Vadão obteve cinco vitórias, seis empates e uma derrota, com 58,3% de aproveitamento, 21 gols marcados e 10 sofridos. O treinador era contestado pelos torcedores do Sport há duas semanas e no dia 6 de março, após empatar em 1 a 1 com o modesto Pesqueira, foi chamado de burro pelos torcedores. Motivado pelo desafio de trabalhar na primeira divisão do Brasileirão, Oswaldo Alvarez pediu demissão do clube nordestino.

— Eu já tinha recebido um convite antes do Criciúma, mas decidi ficar. Depois, houve um novo convite, logo após um jogo que o Sport empatou no Estadual. O Sport vive um momento conturbado e ai me interessou o convite do Criciúma. Me dediquei a Série B nos últimos anos, consegui o acesso com Guarani e Vitória-BA e estava com saudade da Série A. E isso me motivou para vir e fazer um bom trabalho no Criciúma — explicou.

Vadão terá cinco dias para conhecer, analisar e treinar o grupo do Criciúma. No próximo sábado o Tigre enfrenta o Atlético-Ib no Heriberto Hülse e pode ser o recomeço que a torcida tanto espera.

— O mais importante nesse momento é atitude e isso contagia o torcedor. Não podemos pedir para o torcedor vir. Temos que mostrar algo para trazer eles para o nosso lado — finalizou.

Junto com o novo técnico também desembarcam no Criciúma o auxiliar Vaguinho e o preparador físico Luiz Fernando.

DIÁRIO CATARINENSE