Gols em profusão, ser o ponto de desequilíbrio da equipe que defende e arrancar sorrisos do torcedor que o apoia. Wellington Paulista quer ser o goleador de sempre, mas com uma nova camisa, a do Criciúma. O time catarinense tem cara de recomeço para o atacante. No primeiro semestre teve que se contentar com o time B porque o treinador do West Ham não o queria na equipe. Diferente do Tigre, em que tem a incumbência de ser o legítimo centroavante matador. Está do jeito que ele quer.

O cenário que encontrou até agora é propício para que seus planos sejam concretizados. Wellington Paulista está feliz no interior de Santa Catarina. Satisfaz-se com a intenção que o clube tem, com a estrutura que encontrou e com a forma do Criciúma atuar. Resta agora cumprir com a palavra quando de sua apresentação. Com o Tigre e pelo Tigre, quer escrever uma bela história na volta mútua à primeira divisão do Campeonato Brasileiro.

– Na minha chegada, disse que iria fazer história. É isso que quero fazer. Nos seis meses do meu contrato aqui, quero fazer um excelente trabalho e muitos gols. Quem sabe, mais para frente, não fazer algo melhor? No final do ano termina meu contrato com o Cruzeiro. Posso fazer algo melhor pra mim no Criciúma. O mais importante é não criar fantasmas. Em todos os times que passei fiz muitos gols. Espero que tenha esta sequência aqui também. O mais importante é estar confiante, e estou confiante. Gostei do estilo de trabalho do professor Vadão, dos jogadores que estão aqui, que pensam grande, e a estrutura também é boa. Quero estar jogando outra vez. Se estiver, os gols vão sair naturalmente, com certeza – diz o jogador.

O Criciúma tem para Wellington Paulista um pouco de sabor de retomada. Afinal, o primeiro semestre do ano esteve bem longe do que esperava. Emprestado ao West Ham, da Inglaterra, sequer fez uma partida oficial. No time B encontrou abrigo para matar a sede que o move: marcar gols. Emprestado pelo Cruzeiro até o final do ano, a proposta criciumense estava de acordo com os planos do jogador. Voltaria a ter espaço para ser o WP9 de Palmeiras, Raposa, Santos, Botafogo e outros clubes em que se tornou homem-gol.