Entre os moradores do Sul do Brasil, os catarinenses são os que pagam mais caro no gás, mostra o último levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). Os dados foram coletados entre os dias 27 de março e e 2 de abril.

A média do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), chamado popularmente de ‘gás de cozinha’, é de R$ 121,90 em Santa Catarina. Chega a ser R$ 6 mais caro se comparado ao Paraná (R$ 115,21) e a diferença ultrapassa R$8 quando comparado ao Rio Grande do Sul (R$ 113,70).

Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, é o município catarinense com o botijão mais caro. O valor médio é R$ 137,20, calculado com base no preço ofertado por cinco postos. No topo da lista também estão Caçador (R$ 136,67), Balneário Camboriú (R$ 135) e Blumenau (R$ 132,50).

Jaraguá do Sul (R$ 114,37), Araranguá (R$ 115,50), Itajaí (R$ 115,50) são os únicos municípios com preços médios abaixo dos R$ 120. O levantamento reúne dados de 19 cidades de Santa Catarina. Veja a lista completa na tabela abaixo.

Confira o preço médio, por município
Araranguá: 115,50;
Balneário Camboriú: R$ 135,00;
Biguaçu: R$ 125,00;
Blumenau: R$ 132,50;
Brusque R$ 126,60;
Caçador R$ 136,67;
Criciúma R$ 117,00;
Florianópolis R$ 124,00;
Itajaí R$ 115,00;
Jaraguá do Sul R$ 114,37;
Joinville R$ 118,00;
Lages R$ 117,67;
Mafra R$ 125,00;
Palhoça R$ 125,00;
São José R$ 128,00;
Videira R$ 124,60; e
Xanxerê R$ 120,00.