W3.CSS

Desde abril de 2017, o Governo de Urussanga, através da Secretaria Municipal de Saúde, oferece sessões de equoterapia gratuitas para a população urussanguense. A terapia assistida por cavalos é um método terapêutico que utiliza o cavalo por meio de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial do indivíduo praticante. O encaminhamento que garante o direito ao atendimento, no entanto, deve ser realizado por um médico especializado, após avaliação.

 

“O médico costuma solicitar a equoterapia para casos de transtornos e deficiências, como autismo, TDAH, limitações motoras, entre outras. Quando houver a recomendação médica, o paciente é encaminhado para o Centro de Equoterapia, parceiro no Projeto, onde passa por uma avaliação multidisciplinar, com psicóloga, fisioterapeuta e equitadora para definir quais atividades serão realizadas”, explica o diretor municipal de saúde, Rodrigo Dandolini.

 

Os atendimentos no Centro de Equoterapia Nunes, localizado na Estrada Geral Alto Rio Molha, acontecem todas às quartas-feiras no período vespertino. Atualmente, cerca de dez praticantes frequentam a terapia através do projeto da Secretaria Municipal de Saúde.

Para Driele Feltrin Marques, mãe do Davi de 6 anos, a terapia beneficia não só o filho, mas toda a família. “Quando descobrimos o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) no Davi, já entramos com o pedido da terapia. Ele frequenta o Centro há quase um ano e notamos que com a prática da equoterapia, ele tem se soltado mais a cada dia. Em casa ele está mais calmo e melhorou o comportamento, dá mais carinho, interage. No atendimento ele já fala o que quer, tem uma boa relação no cuidado com os animais, já ajuda nos comandos”, conta.

Os Benefícios Motores

A fisioterapeuta do Centro de Equoterapia, Graziela Brighenti, explica que são muitos os benefícios na área física e motora. “Trabalhamos a modulação dos tônus, o ganho de amplitude do movimento, melhora do equilíbrio e também a coordenação motora. São maiores os ganhos motores praticando essa terapia”, garante.

Ela explica que é perceptível no dia a dia e até mesmo pelo relato das famílias, o avanço que o praticante tem. “Algumas ações e movimentos que antes de iniciar a prática a pessoa não fazia, e agora vem conseguindo fazer. Coisas como ajudar a vestir roupa, que por mais simples que pareça para quem nunca possuiu dificuldades, para esse praticante e para família é um ganho imensurável. Nós ficamos felizes e temos o objetivo de estar melhorando cada vez mais para trazer uma melhor qualidade de vida para os nossos pacientes”, completa a fisioterapeuta.

Benefícios Psicológicos e Comportamentais

Antes mesmo de o praticante iniciar a terapia com cavalos, uma avaliação psicológica é realizada para determinar quais aspectos precisam ser trabalhados com ele. A maioria dos pacientes são crianças, e um dos pontos mais exercitados é a autonomia. “Vamos aos poucos trabalhando essa autonomia, a correção de postura no cavalo e o comando do animal. Buscamos a interação total com a terapia, por meio da alimentação do animal, exercícios com a bola de forma diferente para trazer atenção e um bom desempenho em relação a interação da criança e o cavalo”, detalha a psicóloga, Tiana Cardoso do Nascimento.

Segundo a profissional, o trabalho realizado e as regras estipuladas e aplicadas com tranquilidade e firmeza, fazem com que o comportamento dos praticantes mude como um todo. “Os pais acompanham o processo de perto e notam essas diferenças em casa também”, destaca Tiana.

Avaliação individual

Se engana quem pensa que equoterapia possui uma ordem de exercícios pré-definida igual para todos os praticantes. “A rotina de prática de quem é encaminhado aqui para o centro é feita individualmente e específica para cada caso, sempre partindo do ponto da avaliação física e psicológica realizada pelos profissionais”, explica a psicóloga.

 

Por Ana Paula Nesi Comunicação Prefeitura Urussanga