A Satc está ampliando a produção de protetores faciais utilizados por trabalhadores que atuam na linha de frente no combate ao novo coronavírus (Covid-19) ou que realizam atendimento ao público. As máscaras, que antes eram fabricadas na impressora 3D, agora são produzidas na máquina injetora, com uma média de 50 unidades diárias.

“Começamos nesta semana com a produção maior. A matriz foi feita externamente, a partir do desenho projetado pelo professor Daniel Fritzen. Estamos trabalhando para produzir mais”, explicou o professor Alexandre Milanez.

Depois de produzidas a partir do molde fixado na injetora, as peças são levadas para o laboratório Pronto 3D. A máquina de corte a laser faz a segunda etapa do processo, cortando a placa de acetato que é fixada na parte frontal, aumentando a proteção dos profissionais.

Desde o mês de março, professores e acadêmicos da Satc, dos cursos de Engenharia Mecânica e Engenharia Mecatrônica, têm se revezado para produzir materiais que possam auxiliar quem está na linha de frente do combate à doença. “Quando os professores falaram do projeto eu quis participar na hora. Sei dos riscos e também tenho medo, mas acredito que posso ajudar, fazer algo pelos outros. Estou aprendendo muito e isso é gratificante”, afirmou o acadêmico Márcio Afonso de Souza.

Somente nesta quarta-feira (22), a Satc entregou 35 protetores faciais para a equipe do Plano de Saúde São José. “Esse é um equipamento muito importante que trará ainda mais segurança para nossos trabalhadores, agregando mais proteção no atendimento às pessoas”, disse a coordenadora do Plano, Juliana Zeferino Aléssio.

Outro lote de protetores está sendo preparado para ser entregue à Ferrovia Tereza Cristina nos próximos dias.

Assessoria de Imprensa da Satc (www.satc.edu.br)