Quando chegou na Satc, em fevereiro de 2018, para cursar a primeira fase de Publicidade e Propaganda, a acadêmica Estefany Bongiolo Gomes se deparou com espaços novos e desconhecidos. “Nunca tinha entrado na Satc, vim fazer a prova e depois a matrícula, mas só. No primeiro dia de aula, meu primo que era aluno veio comigo pra ver onde eram as salas”, lembra ela. Encontrar os locais de estudos, salas e auditórios foi complicado. Para melhorar a localização de alunos, pais, colaboradores e visitantes que chegam à Satc foi implantada uma nova sinalização interna. A proposta foi custeada por uma bolsa de pesquisa do Art. 170 e envolveu o ex-acadêmico de Design Julian Macedo.

Por três anos, com orientação do professor Diego Piovesan Medeiros, Julian pesquisou, estudou e desenvolveu um manual de sinalização para a Satc. “Foi um processo muito rico, com estudos, pesquisas, publicação de artigos científicos e agora a concretização do material”, pondera Julian.

O resultado do trabalho do agora designer pode ser visto na entrada e nos principais acessos da Satc, sinalizando a localização pontual e direcionando as pessoas para os blocos, laboratórios e espaços de convivência na instituição. Quando os alunos chegaram para o segundo semestre das aulas já se depararam com a novidade. “Eu achei muito bom, chama a atenção e faz com que a gente entenda onde está”, afirma Estefany.

Para chegar ao resultado, a pesquisa se baseou em conceitos do Design que tratam do tema. “A sinalização busca facilitar os caminhos de quem circula pela Satc, dando mais agilidade e ganho de tempo. O embasamento serviu para definir questões relevantes, como a escolha das cores. O amarelo, que predomina, é a cor mais usada em locais onde é preciso que haja um destaque na sinalização”, ressalta o professor Diego.

Integração de setores permitiu conclusão

Hoje, quem circula pela Satc percebe a mudança em vários locais. Foram colocados quatro mapas maiores, que trazem descrito o espaço todo da Satc, com seus prédios, campos, áreas de convivência, estacionamentos e banheiros. Além deles, mais 17 totens, orientando para os setores da instituição, e 27 placas de identificação que direcionam para salas de aula, auditórios e laboratórios. “A Satc foi dividida por áreas e cada uma tem uma cor diferente. Isso contribui na visualização e localização dos espaços”, informa o supervisor de Criação Derley Botelho dos Passos.

Outra novidade foi a inclusão do inglês. A identificação bilíngue permite que as pessoas tenham facilitado o acesso aos locais. A tradução foi feita pela equipe da Satc Idiomas.

“Outra ação importante foi a união de vários setores em torno da ideia. Primeiro com a direção, apostando nessa proposta. Depois com setores como Almoxarifado, Laboratório de Orientação em Design, Manutenção e House, que se empenharam, cada um de uma maneira, para ajudar a concretizar o projeto”, destaca o professor Diego.

Para deixar tudo ainda mais acessível, no final da pesquisa foi entregue à Satc um manual em forma de revista com o resumo de todo trabalho. “Ali está a descrição dos processos, escolha das fontes, cores e formatos, o que permite que a instituição utilize esse documento caso queira ampliar mais o projeto”, ressalta Julian.

Assessoria de Imprensa da Satc (www.satc.edu.br)