A prefeitura de Orleans, por meio do departamento de Cultura, elaborou um projeto para a produção de uma estátua em homenagem ao artista orleanense José Fernandes, popularmente conhecido como Zé Diabo (em memória).

A assinatura do contrato ocorreu na tarde desta sexta-feira (21/05), entre o prefeito Jorge Luiz Koch e o escultor Paulo Afonso Dalponte Pereira, em sua residência, contando com as presenças dos diretores dos departamentos de Cultura, Dra. Andréa Debiasi, e do Turismo, Leomar Brugnara, além da filha do escultor, Liliane Pereira.

Vale recordar que o artista Zé Diabo nasceu em Orleans, no dia 19 de março de 1930. Sua vida profissional começou com os ofícios de cortador de pedras e pedreiro. Contudo, como artista autodidata, seu horário livre era dedicado à pintura de painéis, vitrais e interiores das igrejas de paróquias de Orleans e municípios da região sul de Santa Catarina.
A fama a nível nacional ocorreu a partir da obra das Esculturas do Paredão, um dos principais pontos culturais e turísticos do município, iniciada em 6 de junho de 1980, estendendo-se por mais de 15 anos de trabalhos realizados e uma jornada diária de 12 horas. A referida obra, esculpida em 170 metros quadrados, constitui-se de painéis que retratam “A criação do Homem”, “O sacrifício de Abraão”, “A passagem do Mar Vermelho”, “O templo do Rei Salomão” e “Os Profetas”.

Conforme o prefeito Jorge, “o artista veio a falecer no dia 21 de agosto de 2017. No entanto, seu legado cultural permanece vivo. Por isso, a proposta de realizar uma homenagem ao nobre talento orleanense, por meio de uma estátua, que será confeccionada entre os meses de maio a agosto deste ano. A intenção é inaugurá-la na “Semana Cultural”, que acontece anualmente entre os dias 30 de agosto a 07 de setembro, período em que se comemora a emancipação político-administrativa de Orleans”, justificou o prefeito.

A pessoa responsável pela produção é outro grande talento do município, também autodidata, o escultor Paulo Afonso Dalponte Pereira. Nascido em Pindotiba, de família simples, desde pequeno sofria por problemas auditivos, encontrando na arte um meio de comunicação. Quando criança, ajudava seus pais na lida da lavoura, porém acreditava e tinha expectativas de um dia viver de seu talento, ganhar notoriedade.

De acordo com Liliane, “entre o driblar de seu grande anseio de viver da arte, com outros trabalhos que forneciam maior rentabilidade, como seu labor fixo na prefeitura Municipal de Orleans, enquanto operário na manutenção das estradas, nas horas vagas, Paulo Afonso desenvolvia seu talento nos formões para a confecção de diversos trabalhos retratados em madeira, como Santa Ceia e algumas réplicas de retratos.

Além disso, dedicou-se à produção de imagens sacras em vários municípios da região. Em Orleans, três grandes obras que podem ser citadas são a réplica do Padre João Leonir Dall´Alba, a estátua do padre Vittorio Pozzo e o monumento em honra ao Conde D’Eu”, declara a filha do escultor.