Foto: Divulgação

O prefeito afastado, Luiz Gustavo Cancellier (PP),obteve mais uma vitória na tentativa de retornar ao comando do município. Após mais de 12 horas de trabalhos, Cancellier obteve os votos necessários para o arquivamento do processo de pedido de cassação de mandato. Foram quatro votos favoráveis em arquivar e cinco votos pela votação do mérito do caso. Porém, o presidente do Legislativo anunciou que eram necessários seis votos para a continuidade da votação do mérito.

Desta forma, com o arquivamento do processo, existe a possibilidade do Legislativo Municipal abrir uma nova Comissão de Investigação Processante (CIP). Decisão que não agradou a defesa de Cancellier, que diz que o presidente da Casa fez “manobra”. “Tinha que julgar o mérito. Quando não julga o mérito, a denúncia pode ser renovada e reabrir o processo e começar a caminhada tudo de novo. Houve uma manobra ilegal”, pontua o advogado Alexandre Barcelos.

Julgamento

O prefeito Luiz Gustavo Cancellier tem julgamento marcado na Justiça nesta quinta-feira, 19, quando será julgado se ele voltará a comandar Urussanga, ou se será afastado em definitivamente. Está no comando de Urussanga desde o mês de maio de 2021, o vice-prefeito Jair Nandi.

Presidente da Comissão emite nota:

“Hoje ocorreu a sessão extraordinária referente a Comissão de Investigação e Processante para apurar denúncia de possível prática de infrações político-administrativas por parte do Prefeito de Urussanga, Luis Gustavo Cancellier, atualmente afastado do cargo em decorrência da “Operação Benedetta” da Polícia Federal. Após um longo dia de análises de todo o processo, foram colocados em votação os quesitos do parecer final na qual eu fui responsável pela elaboração, já que a minha função dentro da CIP era a de relator. Mesmo contrário ao meu parecer, a maioria acatou uma das teses de defesa e o procedimento, por ora, foi arquivado. No entanto, há possibilidade de ser analisada nova denúncia, sobre os mesmos fatos, já que o mérito não chegou a ser enfrentado. Como todos sabem, o meu trabalho é em favor da cidade e sempre exercendo a função de forma correta. Ao fim desta CIP saio com a consciência tranquila por ter feito o melhor trabalho possível em prol do nosso município.”, declarou Luan Varnier, relator da CIP.

Como foi o dia:

Impedido de votar – A sessão que definiu o rumo do prefeito Luiz Gustavo Cancellier começou às 9 horas e todos os vereadores estavam presentes, inclusive Rozemar Sebastião (PP), o Taliano, que foi impedido de votar.

Sessão suspensa – Para garantir a presença na votação, Taliano entrou com mandado de segurança e obteve decisão favorável da 2a Vara da Comarca de Urussanga. Durante a reunião da manhã, Taliano foi impedido de votar, sendo necessário suspender a sessão extraordinária para que o suplente, Erotides Borges, participasse da reunião. No entanto, Taliano recorreu na justiça para que retornasse, sendo emitido o parecer no início da tarde.

Cassação – Vereadores do MDB já haviam tentado impedir a presença do vereador Taliano na sexta-feira, quando marcaram a sessão para cassar o mandato do parlamentar. Devido a um pedido de vistas do integrante da Comissão de Investigação e Processante Odivaldo Bonetti, a sessão foi suspensa e remarcada para domingo, que acabou não acontecendo devido a liminar concedida na Justiça.

Relembre o caso

O prefeito de Urussanga, Luiz Gustavo Cancelier foi afastado do cargo no dia 20 de maio de 2021, após operação da Polícia Federal, denominada Operação Benedetta, que investiga suspeita de má aplicação e desvios de recursos públicos em contrato da Prefeitura de Urussanga com a Caixa Econômica Federal. Na ocasião, mais dois servidores foram afastados. A investigação teve diversos desdobramentos, inclusive com o afastamento de três vereadores, sendo que dois já estão no cargo e o terceiro, também no cargo está com Comissão de Investigação Processante em andamento.