Foto: Divulgação / PM

A Guarnição da Policia Militar de Orleans foi acionada via central de emergência para encerrar uma festa com aproximadamente 50 pessoas que estava acontecendo no bairro Corridas em Orleans.

Chegando no local, as guarnições de Orleans, Lauro Müller e o Sargento Ronda se depararam com um aglomerado de pessoas, aproximadamente 50 indivíduos, sem máscara, sem distanciamento social, com compartilhamento de copos e narguilé, e sem uso de álcool.

Quando a guarnição questionou aos presentes quem era o responsável pela residência e pela festa, uma senhora, J M S, começou de forma sarcástica responder aos policiais dizendo que a residência era de todo mundo e que todos eram donos.  Os policiais  solicitaram que a mulher fosse até a viatura para informar quem eram os verdadeiros responsáveis pela residência.

Diante da negativa da senhora em colaborar a guarnição foi até onde ela estava e fora proferida voz de abordagem e tentou-se dar início a busca pessoal na feminina, porém e mesma não cooperou dizendo que não colocaria as mãos na cabeça, não viraria de costas nem abriria as pernas, desobedecendo a ordem de abordagem proferida verbalmente pela Soldado, vindo a empurrar a policial, sendo necessário o uso da força para contê-la, sendo perceptível seu estado de embriaguez, devido a sua agitação, exaltação e ironia diante dos procedimentos realizados pela guarnição. Porém a todo tempo a abordada desobedecia a ordem legal proferida.

Após alguns minutos, a abordada acalmou-se, obedecendo então a ordem de abordagem. Nada de ilícito foi encontrado com a senhora J M S. Ao ser questionada sobre seu nome, negou-se a fornece-lo, sendo possível qualifica-la após sua mãe M T M fornecer os seus dados. Durante o procedimento, a J M S se evadiu do local sorrateiramente aproveitando a escuridão do local e a grande quantidade de pessoas.

Após cerca de 40 minutos ela voltou ao local dizendo que estava no banheiro, porém suas amigas já haviam procurado por ela dentro da residência e não a encontraram, e também sua mãe falou a guarnição que a mesma já havia saído do local.

Lesão corporal

Ao final do procedimento, o filho da responsável pelo local, J V , fazia uma transmissão ao vivo por meio de seu aparelho telefônico caçoando da atuação da Polícia Militar, ironizando os policiais que ali estavam.

Diante do fato, o Soldado dirigiu-se até J V para orientá-lo acerca do crime de Desacato, para que se contivesse. Durante a conversa, J V que estava do lado de dentro da residência, interrompeu a fala do Soldado, vindo a se aproximar rapidamente e fechar abruptamente a janela de madeira, que atingiu o braço esquerdo do policial, pegando na parte onde existia uma quina , causando lesão no braço esquerdo da vítima. Sendo assim, foi necessário uso moderado da força com um empurrão para afastar o autor do policial que estava do lado de fora da residência e parar a progressão da janela.

Após o crime, foi ordenado pelo policial que o autor saísse da residência para que fosse efetuado os procedimentos legais cabíveis, mas J V desobedeceu a ordem, vindo a se evadir pelos fundos da residência.

Diante da situação, fora confeccionado o presente boletim de ocorrência.