O Ministério Público abriu inquérito para investigar a situação do transporte escolar em Anita Garibaldi, na Serra Catarinense. O trajeto é até a escola de ensino fundamental Isidoro Silva, no distrito de Lagoa da Estiva. Além da situação das estradas, considerada ruim, a condição dos veículos está precária.

O proprietário do micro-ônibus confirma que em dias de chuva não passa em determinados lugares por causa da situação das estradas. “Chove, tem alguns pontos que não oferecem condições. Ai a gente não vai correr o risco de sair da estrada, cair em uma valeta”, diz Amauri Pedro Bergamo, dono do transporte.

Por isso, os pais reclamam que em diversas situações precisam levar as crianças a pé ou a cavalo. Todos os dias a dona de casa Beatriz Maria Matos precisa andar alguns quilômetros para deixar os filhos no ponto de ônibus do transporte escolar. Quando o ônibus não passa, eles precisam andar mais um trecho até chegar à escola.

Já o agricultor Lindonês Lima conta que às vezes precisa levar os filhos para escola à cavalo. Ele diz ainda que várias vezes precisou buscá-los tarde da noite porque não tem transporte. “Às vezes é nove horas da noite e estamos andando ai pela estrada”, comenta.

Os ônibus que transportam os alunos andam com excesso de crianças, alguns deles fazem o trecho em pé. Há também outro ônibus com chão de madeira, com pregos à vista. O espelho retrovisor lateral é preso com arame e a parte externa está enferrujada. O dono do transporte diz que os veículos passaram por vistoria. “A gente tem o documento e vamos apresentar dentro do tempo ideal”, comenta.

Sobre o inquérito, o promotor diz que vai analisar a documentação. “Após análise, vou ver a medida cabível. Mas, a população tem que saber que o MP está ciente deste problema e que vai fazer tudo possível para resolver a situação”, diz o promotor de Justiça Marcos De Martino.