A insuficiência venosa consiste em uma anormalidade no funcionamento do sistema venoso. De acordo com o médico angiologista Ary Elwing, o sangue não retorna de forma adequada para o coração, ocasionando consequências de gravidade variável. O especialista em cirurgia vascular periférica e tratamento a laser explica que a insuficiência venosa acontece quando a pressão nas veias aumenta ocasionando dificuldade do retorno do sangue para o coração.

— O problema pode ser causado por mau funcionamento das válvulas, obstrução de veias ou combinação desses dois processos podendo acometer veias superficiais, profundas e até os dois tipos. É uma condição comum, e que pode provocar grandes limitações. A alternativa é prevenir e tentar evitar os principais fatores desencadeantes — alerta.

Entre os oito principais fatores de risco para insuficiência venosa destacam-se:

• Predisposição genética.

• Obesidade.

• Gravidez e pós-parto.

• Veias varicosas.

• Pílulas anticoncepcionais.

• Tabagismo.

• Trabalhar muito tempo em pé ou sentado.

• Viagens aéreas ou terrestres que obriguem o passageiro a ficar sentado por muitas horas.

— É preciso manter o peso dentro dos limites saudáveis, não fumar, restringir o consumo de bebidas alcoólicas e praticar exercícios físicos para prevenir a formação de trombos — alerta Elwing.

Para ele as pessoas com predisposição a desenvolver trombos precisam movimentar-se em viagens com longos períodos de imobilização, após cirurgias longas ou quando tiverem necessidade de permanecer em repouso por muito tempo. Além disso, usar meias elásticas e fazer seguimento e tratamento com médico especialista também ajudam a prevenir a formação de coágulos.

A doença apresenta uma série de sintomas, entre eles: peso ou dores nas pernas, coceira e formigamento, aumento da dor quando a pessoa fica em pé, alívio da dor quando as pernas são levantadas e inchaço. O médico alerta que outros sinais podem indicar que a pessoa sofre de insuficiência venosa crônica.

— Vermelhidão nas pernas, mudança de cor da pele ao redor dos tornozelos, varizes superficiais, espessamento da pele nas pernas e nos tornozelos e úlceras nas pernas e tornozelos são outros sintomas — acrescenta o especialista.

O tratamento da trombose venosa profunda visa evitar a formação de coágulos ou, se já estão instalados, promover sua reabsorção pelo organismo. Para isso, pode ser necessário prescrever medicamentos anticoagulantes e os fibrinolíticos que ajudam a dissolver os trombos. Alguns casos vão requerer intervenção cirúrgica.

Veja uma lista de recomendações para prevenir e/ou minimizar o problema:

• Fique atento às alterações que a trombose venosa profunda pode provocar, especialmente, se tem predisposição para a doença ou esteve exposto aos fatores de risco que favorecem a formação de trombos.

• Não faça uso da automedicação. Procure um especialista caso haja suspeita de ter desenvolvido um trombo.

• Evite o consumo de bebidas alcoólicas e de remédios para dormir quando for obrigado a permanecer sentado por muito tempo.

• Use roupas e calçados folgados e confortáveis.

• Procure mudar de posição ou movimentar-se durante as viagens.

• Realize exercícios de rotação, flexão e extensão com as pernas e os pés enquanto estiver viajando.

• Procure caminhar após períodos de imobilidade prolongada em virtude de problemas de saúde ou muitas horas de viagem.

• Use meias elásticas.

• Beba muito líquido para evitar a desidratação.

DIÁRIO CATARINENSE