A cidade mais antiga do Sul catarinense está em festa neste dia 29 de julho. Hoje é comemorado o aniversário de 337 anos de Laguna, que este ano será marcado com o início da Semana Cultural e uma intensa programação de atividades.

Já no começo da manhã, a data comemorativa é lembrada com uma salva de 21 tiros. Às 10h, homenagens ao fundador da cidade, Domingos de Brito, no Centro Histórico.
Uma estátua de bronze nas proximidades das docas do Centro Histórico, em frente ao teatro Cine Mussi, marca o início da colonização de Laguna. O monumento relembra a saga do bandeirante Domingos de Brito Peixoto, que, segundo os livros de história, no dia 29 de julho de 1676, chegou à cidade.
A programação tem continuidade a partir das 19h30, quando ocorre a solenidade de abertura da 32ª Semana Cultural, no Centro Cultural Santo Antônio dos Anjos. A atividade conta com estandes de exposição com artesanato, fantasias de escolas de samba e do concurso municipal, rendas de bilro, fotografias de artistas locais.
As opções de diversão e comemoração não param por aí. Também ocorre apresentação de boi de mamão, exposição e venda de livros. Às 21h, culto ecumênico e, depois, corte de bolo em comemoração ao aniversário da cidade.
Conforme matéria do Portal Diário do Sul, o presidente da Fundação Lagunense de Cultura, Leonardo Pascoal, explica que a programação será encerrada no dia 4 de agosto, com homenagens a Anita Garibaldi.

História

Em 1847, por decreto imperial, Laguna foi elevada à categoria de cidade. Porém, a história do local começou há seis mil anos e os primeiros registros de comunidades pré-históricas estão nos sambaquis, formações elevadas compostas de conchas, ossos, restos de fogueiras e artefatos, alguns com 35 metros de altura.
Os habitantes eram hábeis pescadores e mergulhadores de águas profundas, navegavam de canoa e chegavam a capturar golfinhos e arraias. Gerações de famílias viveram nos sambaquis, que em tupi-guarani quer dizer amontoado de conchas.
O povo dos sambaquis, de acordo com estudos, teve contato com os xoklengs e carijós vindos do Oeste, e absorveu a cultura de outras tribos. Os índios se adaptaram à região devido à proximidade com a lagoa, uma fonte de alimentos. De acordo com levantamento do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), o município conta com 30 sítios arqueológicos, de artefatos do povo sambaqui e dos guaranis.