Em sessão do Tribunal do Júri que se encerrou na madrugada desta terça-feira, na Justiça Federal, os três réus foram condenados pela morte do policial rodoviário federal Leonardo Valgas, 36 anos.

A sentença foi lida pelo juiz Rafael Selau Carmona às 4h45min. João Antônio Neto Santana Santos, quem atirou e matou o policial, pegou 26 anos, 8 meses e 13 dias de prisão. Paulo Henrique Rei dos Santos, o motorista do Palio em que os assaltantes estavam, foi condenado a 28 anos, 8 meses e 13 dias de prisão. Ricardo Elias Ferreira, que estava com os dois, pegou 30 anos de prisão.

João Antonio Neto, o autor do tiro que matou o policial, pegou a pena mais baixa entre os três condenados. O juiz explicou que isso ocorreu porque ele confessou o crime e a autoria do disparo contra Valgas.

Os réus não poderão apelar em liberdade. Eles foram condenados pelos crimes de homicídio, roubo, porte ilegal de arma e ocultação de arma. O magistrado determinou que eles devem continuar presos na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, para onde retornarão ainda nesta terça-feira, de avião, escoltados por agentes do sistema penitenciário federal.

Colegas policiais de Leonardo Valgas ficaram até o fim do julgamento. No encerramento, aplaudiram a decisão dos jurados pela condenação dos réus.

Familiares dos presos também permaneceram no auditório até o anúncio da sentença. Os três disseram que pretendem recorrer da condenação.

DIÁRIO CATARINENSE