O Hospital Santa Otília, em Orleans, interrompeu os serviços de maternidade, ao menos, até a próxima quinta-feira, dia 3. A unidade está momentaneamente sem médicos pediatras para realizarem os trabalhos, mas espera resolver o problema já no início do próximo mês.

Segundo o diretor Edvan Della, o hospital contava com dois profissionais fixos para exercerem a função, porém, um deles pediu desligamento recentemente. “Precisamos fechar momentaneamente, até por orientação do Conselho Regional de Medicina (CRM). Tínhamos apenas dois pediatras, o que já era o limite mínimo. Agora, ficamos só com um, porque o outro irá trabalhar em outro local. Assim, não temos como trabalhar durante o mês todo, já que eles precisam ficar de sobreaviso em 24 horas por dia, nos 30 dias do mês”, explica.

A instituição deve concretizar a contratação de um novo pediatra até o próximo dia 3. Até lá, as gestantes que precisarem de um atendimento especializado, estarão sendo encaminhadas ao Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC), em Criciúma, considerada como referência em maternidade na região.

“A gente acredita que vá conseguir, já iniciamos as tratativas. As gestantes que estão vindo até o hospital são atendidas pelo clínico geral, na emergência. Conforme a avaliação, se ele considerar que é preciso um especialista, elas são encaminhadas ao Santa Catarina”, informa Della.

O Hospital Santa Otília realizou uma média de 16 partos por mês em 2021, através do Sistema Único de Saúde (SUS). O serviço é oferecido pelo hospital orleanense há cinco anos. O setor funciona 24 horas para procedimentos de urgência e emergência, dispondo de uma sala para cesariana e duas para partos normais. Além disso, o sistema de alojamento conjunto permite que a mãe e o bebê permaneçam em conjunto durante o tempo todo. Um acompanhante pode acompanhar toda a ação.

“Logo ao nascer, o bebê é atendido por um pediatra, ainda na sala de parto, onde são analisados reflexos e condições físicas do recém-nascido, e lá permanece em um berço aquecido durante a primeira hora de vida”, ressalta o diretor.