Cabelos brancos, olhar sereno, uma fala mansa e movimentos brandos. Assim estava o homem de 73 anos na cela da delegacia de Braço do Norte, após ser preso pela Polícia Civil, na manhã de ontem. Lá, passou algumas horas e foi mudando de semblante aos poucos. Ainda ontem, quando chegou ao Presídio Regional de Tubarão, o senhor já estava com olhos arregalados e tom preocupante. O motivo da mudança de comportamento: o crime pelo qual havia confessado poucas horas antes. Ele é acusado de estuprar uma menina de 11 anos, em São Ludgero, nesta segunda-feira.
E foi em São Ludgero que a equipe de investigação da Polícia Civil de Braço do Norte, coordenada pelo delegado Leonardo Valente, após campana em frente à casa do aposentado, o prendeu quando deixava a residência. De mãos atadas devido a uma prova contundente, revelou ser o autor do crime, que chocou os moradores do pequeno município.
“Os atos libidinosos foram fotografados por vizinhos da casa da criança, local dos abusos. O material foi entregue à polícia, que realizou a campana em frente à casa do aposentado e realizou a prisão. “Diante das provas fotográficas e da confissão do autor, bem como do depoimento prévio da família da vítima e da própria menina, pedi por sua prisão preventiva. Foi acatado imediatamente pela comarca local. Assim, o levamos à reclusão no Presídio Regional de Tubarão”, explica o delegado.
Não houve conjunção carnal no crime, mas o aposentado teria praticado sexo oral na menina e passado a mão em seu corpo. Segundo as investigações, os atos teriam ocorrido somente uma vez, mas a polícia investiga se há outras supostas vítimas dele na cidade e até mesmo se os abusos contra a menina vinham ocorrendo há mais tempo.
“Ele conseguiu ficar sozinho com ela após dar dinheiro aos irmãos menores, que foram ao mercado comprar doces. O acusado de pedofilia é amigo da família e tinha contato constante com a menina”.
O homem foi enquadrado por estupro de vulnerável, com possibilidade de pena de reclusão em regime fechado entre oito e 15 anos. E não é a primeira vez que poderá ser condenado pelo mesmo crime. “Ele já praticou outros dois estupros em Criciúma e já cumpriu cadeia pelos atos”, informa Valente.
O acusado é casado e a sua esposa, também aposentada, foi detida e levada à delegacia acusada de favorecimento do acusado. Ela irá responder, inicialmente em liberdade, por ter mentido aos policias e escondido um procurado da Justiça.

Fonte Diário do Sul