1440561092pag3-sitegrevemancheteA greve dos servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) completa hoje 51 dias. Uma reunião entre os grevistas e o ministro do planejamento, Nelson Barbosa, ocorrerá no fim da tarde. O encontro definirá novos rumos para o movimento, uma vez que os servidores esperam do governo federal uma proposta que vá ao encontro do funcionalismo público. Os grevistas pedem um reajuste de 27%, porém o governo sinalizou um acréscimo de 22,8%, parcelado até 2019.

Em Santa Catarina, mais de 90% dos funcionários aderiram ao movimento. Em Tubarão, o número chega a 95% do efetivo e apenas um servidor realiza a sua função. Nesta sexta-feira, os representantes da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social estarão reunidos em assembleia, em Brasília, para decidir o rumo da categoria no órgão. Os profissionais de medicina poderão paralisar os serviços por tempo indeterminado. Com isso, na região, mais de 15 médicos deixarão de prestar atendimento. Na Cidade Azul, são oito.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde da Anvisa e da Previdência de Santa Catarina (Sindprevs), João Paulo Silvestre, a paralisação não deverá encerrar hoje. “Temos que realizar assembleias estaduais e analisar se a proposta foi boa. O reajuste será bem vindo se for o que pedimos, mas as 30 horas semanais serão essenciais para a categoria”, revela.

A diretora executiva do Sindprevs, Viviane Fogaça, informa que um grande ato ocorrerá amanhã, em Florianópolis, para mostrar que os servidores se mantêm organizados em busca de seus direitos.

Matéria completa do Jornal Notisul