Cerca de 40 policiais civis de Tubarão, Braço do Norte, Laguna e Capivari de Baixo seguem hoje para Criciúma, onde participam de uma assembleia da categoria. Um ônibus foi fretado e a saída ocorrerá às 13 horas, em frente ao Museu Willy Zumblick, no centro da Cidade Azul.

A principal insatisfação é quanto ao salário dos profissionais. Conforme nota do Sindicato dos Policiais Civis de Santa Catarina (Sinpol-SC), há dez anos não há reajustes. As reuniões regionais também ocorrerão em Florianópolis, Chapecó, Joaçaba, Joinville, Blumenau e Lages. Não está descartada a possibilidade de uma greve. No entanto, é dado como certo que os agentes iniciarão um período de operação padrão, quando somente os casos de flagrante serão atendidos nas delegacias de Santa Catarina.

Segundo o Jornal Notisul, no comunicado, a direção do sindicato também enfatiza, por meio de dados oficiais, que os baixos salários são a causa da perda de quase mil policiais desde 2007. Isto faz com que o efetivo seja praticamente o mesmo de 30 anos atrás.

Para o presidente do Sinpol-SC, Anderson Amorim, não adianta fazer concurso público se a baixa remuneração não retém o servidor na Polícia Civil. “Se isso não for corrigido, a instituição está fadada à falência por insuficiência de recursos humanos”, prevê Amorim.