Uma situação curiosa preocupou os moradores de Urussanga neste mês de maio, quando furtos passaram a ser cometidos no Cemitério Municipal, situado na Rua Francisco Giácomo Bez Fontana, na Baixada Fluminense. A situação mais alarmante, foi quando no dia 10 de maio, 32 capelas tiveram metais como alças, letreiros, imagens e placas de bronze furtados durante a madrugada. O administrador do cemitério, Emerson Scrins, conta que ao chegar no local e se deparar com a situação, de imediato informou a administração municipal e registrou um boletim de ocorrência relatando o ocorrido. “Através desse boletim de ocorrência as investigações começaram por parte da Polícia Civil, que em dez dias elucidou o caso”, lembra o responsável.

Segundo informações da Polícia Civil de Urussanga, sob responsabilidade dos delegados Ulisses Gabriel e Márcio Neves, as investigações levaram a um homem de 42 anos, que confessou o furto, alegando ser viciado em drogas. Os objetos furtados foram vendidos para um sucateiro de Morro da Fumaça por cerca de R$ 9,00 ou R$ 10,00 reais o quilo. O receptador será indiciado por receptação qualificada.

“A gente agradece o empenho da Polícia Civil em resolver o caso e a Polícia Militar que realizou rondas no local”, afirma Scrins, que lembra ainda, que câmeras devem ser instaladas em breve no local pelo Governo Municipal para coibir novos atos criminosos. Segundo o prefeito Jair Nandi, um levantamento já está sendo realizado no local para definir os pontos.

Ana Paula Nesi/Assessora de Comunicação Prefeitura Municipal de Urussanga