Os estudantes de escolas públicas do ensino fundamental, médio e de graduação tiveram no mês de março e abril a experiência de participar da Oficina de Educação Patrimonial. Foram 10 turmas, atendidas, quase 100 pessoas entre professores e alunos, de várias idades. A atividade é ministrada pela museóloga Valdirene Böger Dorigon, em projeto selecionado pelo Edital Aldir Blanc/SC 2021, executado com recursos do Governo Federal de Emergência Cultural, por meio da Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

A oficina foi dividida em dois momentos. O primeiro em sala de aula, uma introdução teórica tratando do patrimônio cultural. Num segundo momento eles são levados para rua. Para observar lugares espaços que ajudem a contar a história do município. Lugares como o monumento Conde D’Eu, as Esculturas do Paredão do Zeca Diabo, o Museu ao Ar Livre Princesa Isabel e a Praça Celso Ramos, localizada no Centro de Orleans.

A estudante, Verônica Luciano, de 45 anos, faz parte da turma do EJA (Educação para Jovens e Adultos), e mora em Orleans a 10 anos. Ela participou da visita a Praça Celso Ramos, na última semana, e segundo ela, pouco conhecia sobre os monumentos que fazem parte do cenário da Praça, e que ajudam a contar a história do município. “A oficina nos ajuda a prestar mais atenção nos lugares por onde passamos. A olhar os detalhes”, comentou Verônica.

A colega de sala de aula de Veronica, Patricia Bardini, de 31 anos, mora em Orleans há quatro anos, e diz que sempre passa pela Praça, mas que não que também não prestava atenção nos detalhes. “Nunca parei para ver. E a oficina foi importante para aprender, para saber e entender o que cada monumento significa”, diz Patrícia.

A museóloga Valdirene explica que a oficina busca chamar atenção dos lugares enquanto memória e preservação cultural. “Tratamos dos tipos de patrimônio, as formas de proteção, a importância da preservação, exemplos de patrimônios culturais do município de Orleans e a utilização da educação patrimonial”, explicou Valdirene.

Durante a visita “in loco”, foi desenvolvida uma atividade de observação, com exercícios de percepção visual. Conforme Valdirene, o objetivo é identificar o objeto, sua função e significado. No local da visita, os participantes realizaram desenhos, que foram expostos nas instituições dos participantes. Nas próximas semanas um varal com os desenhos devem ser expostos nas instituições participantes do projeto.

Escolas participantes

Escola Educação Básica Conego Santos Sprícigo – 5º ano Ensino Fundamental;
Escola Educação Básica Toneza Cascaes – 1º ano Ensino Médio (turma 103);
Escola Educação Básica Toneza Cascaes – Alunos do 1º ano Ensino Médio (disciplinas eletivas); Escola Educação Básica Conego Santos Sprícigo – 6º ano Ensino Fundamental;
Curso de Pedagogia do UNIBAVE – 1ª fase;
Escola Educação Básica Toneza Cascaes – 1º ano Ensino Médio (turma 103);
Escola Educação Básica Conego Santos Sprícigo – 5º ano Ensino Fundamental;
Escola Educação Básica Toneza Cascaes – Alunos do 1º ano Ensino Médio (disciplinas eletivas); Escola Educação Básica Conego Santos Sprícigo – 6º ano Ensino Fundamental;
Educação de Jovens e Adultos (Eja) de Orleans.