A estratégia traçada pelo Ministério da Saúde para combater a gripe A em 2013 trará mais de 400 mil doses de vacina a mais para Santa Catarina. O Estado abrirá a campanha nacional de vacinação, em 15 de abril, com 1,649 milhão de doses disponíveis, contra 1,2 milhão de 2012, quando foram registrados 76 mortes em virtude do vírus H1N1.

O reforço será destinado aos doentes crônicos, que entraram no grupo prioritário de imunização. Este público representou 85% das mortes do ano passado, segundo o diretor da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde, Fábio Gaudenzi de Faria. A lista com as doenças consideradas crônicas ainda será divulgada.

Os pacientes terão que entrar em contato com os médicos e solicitar autorização para tomar a vacina. Quem já participa de um grupo de trabalho do Sistema Único de Saúde (SUS) e tiver o nome cadastrado no posto de saúde, não precisará do documento. É só apresentar uma identificação numa unidade de saúde e receber a dose.

Segundo Faria, a orientação aos pacientes é de que procurem ainda neste mês os seus médicos e não deixem para fazer a solicitação na última hora. Há risco de faltar horário de consultas, principalmente da rede pública.

Além do pacientes crônicos, serão imunizadas mulheres até 40 dias após o parte, desde que haja prescrição médica. Adultos acima de 60 anos, crianças com até dois anos de idade, gestantes, profissionais da saúde, indígenas e detentos seguirão dentro dos grupos de riscos.

Em todo o país, a campanha irá de 15 a 26 de abril, decisão comemorada pelos secretários de Saúde de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Os Estados do sul do Brasil, que concentraram a maior parte dos casos de gripe A, vinham discutindo com o governo federal mudanças na estratégia de imunização desde novembro.

Na terça-feira, em uma reunião em Brasília com a presença do secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Jarbas Barbosa, foram repassados detalhes da nova mobilização.

Como os laboratórios que produzem as vacinas terão condições de entregar as doses mais cedo, o ministério conseguirá antecipar a campanha em três semanas na comparação com o ano passado, quando o trabalho teve início em 5 de maio. Presente na reunião de terça, o secretário-adjunto de Saúde catarinense, Acélio Casagrande, aprovou a nota data. Santa Catarina deve receber as vacinas já na segunda quinzena de março.

—A vacina leva cerca de 20 dias para ter efeito. Assim, em maio já teremos muitas pessoas de fato imunizadas, o que é importante—,explica.

Para qualificar a distribuição das vacinas, além do atendimento aos infectados pelo vírus H1N1, o Estado organizará um seminário com prefeitos e secretários de Saúde dos municípios. O evento deve ocorrer no dia 4 de abril, em Florianópolis, com a presença de Jarbas Barbosa e técnicos do ministério.

DIÁRIO CATARINENSE – Brasília