A Estrada de Ferro Dona Teresa Cristina foi aberta por uma empresa inglesa em 1884 com o objetivo de fazer a ligação entre o Porto de Imbituba e as minas de carvão de Lauro Muller. A ferrovia passou para o Governo da República em 1903 e foi arrendada à Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande em 1910. Em 1918 o arrendamento foi passado para a Companhia Brasileira Carbonífera de Araranguá. Com a construção de um ramal a partir de Tubarão ligando a linha a Criciúma em 1919, e seu prolongamento até Araranguá em 1923. Aos poucos o trecho Imbituba – Araranguá passou a ser a linha-tronco, transformando o trecho Tubarão – Lauro Muller num ramal. Em 1940 a estrada passou a ser administrada novamente pelo Governo Federal, que em 1957 a colocou como uma das subsidiárias 21 da recém-criada Rede Ferroviária Federal S.A – RFFSA. Em 1975, oficialmente, o nome Dona Teresa Cristina desaparece e ela se transforma numa das Superintendências Regionais da RFFSA. Em 1996, foi concessionada pelo Governo para uma empresa privada, que hoje a administra sob o nome de Ferrovia Teresa Cristina.

A antiga Estação Ferroviária de Lauro Muller, após a desativação dos trens no Município, foi utilizada por muitos anos como Terminal Rodoviário Municipal. Após recente construção de um novo Terminal na cidade, a Antiga Estação Ferroviária passou a ser utilizada como simples lanchonete chamada de Recanto dos Motoqueiros, onde os turistas que visitam a cidade passam despercebidos pela frente daquela histórica Estação.