O trabalho é detalhado e exige atenção. A uma altura que pode variar de 3 metros ou a mais de 40 metros, profissionais do Centro Tecnológico Satc (CTSatc) realizam o trabalho de análise de emissões atmosféricas. O serviço é novo dentro da grade de atuação do Centro. Desde setembro está sendo prestado e é uma garantia a mais para empresas que possuem chaminés e precisam do monitoramento dos gases que são lançados na atmosfera.

Munidos de um coletor isocinético de poluentes atmosféricos (CIPA), os técnicos acessam pontos específicos nas chaminés para coletar os gases que são emitidos. Um trabalho detalhado que pode durar até sete horas. “Realizamos três coletas no local e depois trazemos para a análise aqui no laboratório de emissões atmosféricas”, explica o professor e pesquisador Flavio Michels Bianchi.

A equipe segue as exigências do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), conforme a Resolução nº 382/2006, que estabelece os limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas, e a Resolução nº 436/2011, que complementa a primeira. As duas são referências para empresas que possuem chaminés, que são as fontes estacionárias, e fazem a queima permanente de combustíveis. Gases como óxidos de enxofre, de nitrogênio, monóxido de carbono e outros itens como material particulado devem ser controlados. O controle da emissão dos poluentes que são provenientes das chaminés é fundamental para as empresas que querem estar em dia com as suas licenças ambientais de operação.

A equipe de técnicos do CTSatc já atuou em indústrias dos segmentos químicos, cerâmico, dentre outros. “Após o recolhimento das coletas, o material é analisado e o laudo técnico fica pronto em até dez dias úteis”, ressalta o pesquisador.

Assessoria de Imprensa da Satc (www.satc.edu.br)