W3.CSS

Mesmo com o inverno chegando, a preocupação com a dengue continua. Com uma alta preocupante de casos em Santa Catarina, e um caso importado registrado no município, Urussanga tem aumentado ações de fiscalização e conscientização da população, para evitar focos e casos locais. Na semana passada, o agente de endemias reforçou a importância da prevenção no comércio e repartições públicas, além de fixar cartazes de orientação.

“Não temos focos registrados por aqui, e para permanecer com essa ausência, precisamos estar sempre atentos às nossas armadilhas, às denúncias e também na conscientização da população que é, e sempre será, a nossa principal aliada no combate à dengue”, enfatiza o agente de endemias, Vanderlei Figueiredo.

Segundo o agente, o município possui atualmente 56 armadilhas espalhadas pelos bairros, que são vistoriadas com frequência. “A cada 15 dias, realizamos também, um levantamento em 12 pontos estratégicos, localizados em cemitérios, borracharias, ferros velhos e floriculturas. Todas as informações são repassadas para o estado, bem como as suspeitas de focos encontradas, porém, até o momento, tudo está sob controle e nenhum se confirmou”, destaca.

Denúncias
Para caso de dúvidas ou denúncias de pontos com água parada e acúmulo de lixo que possa se tornar reservatório para o mosquito transmissor da dengue, febre amarela, chikungunya e zika vírus, os urussanguenses podem entrar em contato pelo telefone da Secretaria de Saúde no (48) 3465-1254.

Caso Importado
O município de Urussanga confirmou em maio, o primeiro caso positivo de dengue. No entanto, trata-se de um caso importado, que é quando a pessoa viaja para outra localidade e volta infectado. O paciente estuda em Florianópolis, e permanece em Urussanga apenas nos finais de semana. Em uma das vindas, apresentou sintomas, foi ao hospital, e posteriormente comprovou a infecção via exame particular.

Como acabar com possíveis focos?
• Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, coloque areia até a borda;
• Guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
• Mantenha lixeiras tampadas;
• Deixe os tanques utilizados para armazenar água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
• Trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
• Mantenha ralos fechados e desentupidos;
• Lave com escova os potes de comida e de água dos animais, no mínimo uma vez por semana;
• Retire a água acumulada em lajes;
• Limpe as calhas, evitando que galhos ou outros objetos não permitam o escoamento adequado da água;
• Dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em vasos sanitários pouco usados e mantenha a tampa sempre fechada;
• Evite acumular entulho, pois podem se tornar criadouros do mosquito.

Por Ana Paula Nesi – Assessora de Imprensa PMU