O Domingo de Ramos marca o início da Semana Santa para os cristãos. Nesse dia, a Igreja Católica relembra a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém após o período no deserto. O ápice acontece no Tríduo Pascal, quando os fiéis recordam o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição.

Na Diocese de Criciúma, seguindo orientações e protocolos de combate e prevenção à Covid-19, famílias católicas vão poder participar das missas em todas as paróquias. Durante esse período, a Igreja paramenta-se da cor vermelha, que lembra o martírio e, no lugar das flores, utiliza ramos de oliveira ou palmas.

De acordo com o Bispo Dom Jacinto Inacio Flach, a Semana Santa deve marcar a caminhada constante pela conversão. “A Semana Santa é o ponto alto da nossa vida cristã, da nossa fé em Jesus Cristo e na sua Santa Igreja, precisamos continuar rezando por tudo isso que estamos vivendo durante a pandemia, participando das celebrações mesmo que de maneira restrita”, disse o epíscopo.

Coleta Nacional da Solidariedade

Aprovada pelos bispos do Brasil desde 1964, a Coleta Nacional da Solidariedade é a tradução da caridade na quaresma por meio do gesto concreto de doações dos fieis na coleta do Domingo de Ramos. Os recursos arrecadados integram os Fundos Diocesanos e Nacional de Solidariedade que tem o papel de apoiar iniciativas que promovem a vida e a caridade em todo país.

Do total arrecadado, 60% fica na própria diocese e é gerido pelo Fundo Diocesano de Solidariedade com o objetivo de apoiar iniciativas e projetos locais. Os outros 40% compõem o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS), que é administrado pelo Departamento Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), sob a orientação do Conselho Gestor da CNBB.


Setor de Comunicação
Diocese de Criciúma