Foto: Divulgação

A expectativa da prefeitura de Jaguaruna é lançar a licitação para as obras de desassoreamento da Barra do Camacho em até 15 dias depois do convênio com o governo do Estado ser firmado.

O governador Carlos Moisés anunciou nesse sábado a liberação de R$ 10 milhões para a realização das obras. O recurso será liberado por meio de um convênio a ser assinado com a prefeitura de Jaguaruna, que será responsável pelo processo de licitação e fiscalização da empresa que será contratada para executar os trabalhos.

A notícia foi dada pelo próprio governador, em reunião com o prefeito de Jaguaruna, Laerte Silva, e com o deputado estadual Zé Milton Scheffer (PP), líder do governo na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). Vereadores de Jaguaruna e representantes das associações de pescadores também estiveram no ato.

“É um legado que vai ficar para o município. É uma obra essencial que há anos Jaguaruna e toda a região vinha batalhando para conquistar”, comemorou o prefeito.

O projeto a ser executado foi elaborado em parceria com a Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel), estimado em aproximadamente R$ 4,6 milhões. A obra deve incluir também a reconstrução de parte do Molhes. Após licitado, deverá demorar aproximadamente um ano para ser concluído.

Jaguaruna já deu início às obras

Antes mesmo do convênio com o governo do Estado ser anunciado, o processo de desassoreamento da Barra do Camacho, em Jaguaruna, já teve início, com a retirada de areia através de máquinas escavadeiras.

Após reunião com pescadores, há cerca de um mês, o prefeito Laerte Silva firmou o compromisso de iniciar os trabalhos de desassoreamento. Na região, aproximadamente 1,5 mil famílias sobrevivem da pesca da Barra do Camacho.

“Nesse período, foi realizado o decreto de emergência junto à Defesa Civil, garantias de licenças ambientais e estamos desde o início do ano em tratativas com o governo do Estado para conseguir os recursos do projeto da Amurel, que envolve o enrocamento de pedras laterais (molhes) e o desassoreamento por completo”, explicou a prefeitura por meio das redes sociais.

O canal que liga a lagoa de Jaguaruna até o mar está seco devido ao acúmulo de areia, o que impede a circulação de peixes, causando a morte de algumas espécies e impedindo a prática da pesca na lagoa.

Ligação com o mar está assoreada

A ligação do mar com a lagoa está quase totalmente assoreada. Manter o canal aberto é fundamental para a pesca e para amenizar a situação em caso de enxurradas na bacia do rio Tubarão. A necessidade do desassoreamento permanente é uma reivindicação antiga. Mesmo com o início das obras neste fim de semana, a manifestação pacífica que estava programada para a manhã desse sábado aconteceu. Moradores da região, pescadores locais e pessoas ligadas à causa estiveram na ação para chamar a atenção das autoridades para a importância da agilidade na reabertura da barra. Cerca de 100 pessoas participaram da movimentação, com ferramentas como pás, enxadas e carrinho de mão.