Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Toda a polêmica envolvida até o momento na morte do vereador Clésio de Oliveira Sousa, o Cabelinho, se tornou irrelevante após o surgimento de um novo fato nesta semana. Imagens do depoimento prestado pelo político ao Ministério Público – MP de Orleans antes do seu falecimento vazou nas redes sociais. O documento era sigiloso.

Ainda não se sabe a data exata em que as imagens do depoimento começaram a circular pelo WhatsApp. As informações passadas pelo vereador durante o depoimento foram decretadas sigilosas pelas polícias civis de Orleans, Urussanga e pelo MP, ou seja, em hipótese alguma poderiam ser divulgadas. O inquérito sobre um possível crime político ocorrido em Orleans ainda não foi concluído.

A Polícia Civil de Orleans já está tomando providências para delimitar se a investigação do crime de violação de sigilo funcional será de responsabilidade da comarca da Cidade das Colinas ou de Urussanga. Um Boletim de Ocorrência – BO sobre o vazamento das informações já foi registrado na Delegacia de Orleans por uma das partes envolvidas no caso.

Relembre o caso

O vereador orleanense Clésio do Oliveira Souza, o Cabelinho, de 52 anos, foi encontrado morto em um galpão inativo de um antigo engenho na comunidade de São João do Rio Maior, em Urussanga, no dia 10 de junho de 2015.

A investigação sobre a morte do vereador foi realizada pela Polícia Civil de Urussanga e o delegado Marcelo Viana confirmou a hipótese inicial de que Cabelinho tirou a própria vida. Os laudos apontaram que a causa da morte foi asfixia mecânica, ou seja, enforcamento.

Já a Polícia Civil de Orleans investiga uma possível compra de votos para intervenção do processo de cassação do prefeito do município. Segundo o delegado responsável, não há nenhuma prova concreta sobre o suposto suborno e o inquérito segue em andamento.

Stéphanie Piava/Ligado No Sul