Prefeito Gustavo Cancellier está desde maio de 2021 afastado do cargo

Os vereadores de Urussanga aprovaram as aberturas de Comissões Processantes (CP) contra o prefeito Gustavo Cancellier (PP) e os vereadores Fabiano De Bona (PSDB), Odivaldo Bonetti (PP) e Rozemar Sebastião (PDT), afastados dos cargos no último ano. A decisão, que dará aos parlamentares em exercício o direito de votarem pela cassação dos mandatos ao final das apurações, foi confirmada na primeira Sessão Ordinária do Legislativo urussanguense, realizada na noite desta terça-feira, dia 1º.

Cancellier foi retirado da prefeitura em maio, após a deflagração pela Polícia Federal da Operação Benedetta, que apura a execução de obras superfaturadas no município. Já os três vereadores foram impedidos de entrarem na Câmara em dezembro, devido à Operação Hera, da Polícia Civil, que investiga práticas ilícitas na Fundação Ambiental de Urussanga (Famu).

Os políticos afastados dos dois poderes serão investigados por duas CPs diferentes. A abertura das comissões foi concretizada por meio de votação entre os nove parlamentares da Casa. Ambas as CPs tiveram cinco votos favoráveis, dois contrários e uma abstenção (confira os votantes abaixo). Um sorteio definiu os três representantes do Legislativo que participarão da CP contra Cancellier. Foram eles Thiago Mutini (PP), Luan Varnier (MDB) e Bras Ciseski (PSDB). Mutini foi eleito presidente e Varnier foi eleito relator. Ciseski ficou como membro suplente.

A formação que terá a função de investigar os três vereadores afastados também foi decidida por sorteio. José Carlos José, o Zé Bis (PP), Ademir Bonomi (MDB) e Daniel Moraes (PSD) foram os escolhidos. Por eleição, Moraes foi denominado o presidente e Bonomi o relator. Zé Bis permanecerá na suplência.

Estava previsto um discurso do prefeito interino Jair Nandi (PSD), como é de praxe no início de cada Legislatura. Nandi optou por reagendar a sua presença para a próxima sessão, marcada para a próxima terça-feira, dia 8.

Gustavo Milioli/tnsul