Um obra já inaugurada, mas até hoje, não está em funcionamento, o prazo dado pelo governo do estado se esgotou no início de julho, mas as portas do Banco de Olhos de Criciúma continuam fechadas.

De acordo com matéria realizada e apresentada pela NSC TV de Criciúma, a Secretaria de Estado da Saúde informou que o Banco de Olhos não começou a funcionar ainda porque depende de uma vistoria do Ministério da Saúde e, depois, da publicação de uma portaria que autoriza o estado a fazer a gestão do local.

Os funcionários ainda não foram treinados. Em nota, a Secretaria disse que vai divulgar uma nova data de inauguração, depois da visita do Ministério da Saúde e da publicação da portaria. O Ministério não respondeu aos questionamentos da NSC TV sobre os prazos.

No início de maio, o secretário de saúde garantiu: “Em 60 dias, nós já teremos o banco de olhos funcionando aqui na região”, afirmou o secretário de estado da Saúde Acélio Casagrande.

O prazo já terminou e até agora o banco de olhos de criciúma ainda continua sem atender ninguém. A estrutura está pronta desde 2016 e seria referência na região sul para captação e processamento de córneas.
Investimentos

A obra custou R$ 300 mil aos cofres da prefeitura, que disse que não teria dinheiro para manter o local em funcionamento. O estado decidiu assumir a gestão e pagar os R$ 40 mil mensais pra manter a o Banco de Olhos.

A captação de córneas acontece atualmente em hospitais da região sul. No ano passado, foram feitas 28, número que talvez pudesse ser maior se o banco já estivesse em funcionamento.

“Até o momento, as doações feitas nominalmente em Tubarão, Criciúma e Araranguá eram levadas à Capital e processadas no banco de tecido ocular na própria Secretaria de Estado da Saúde e retornava para transplantes depois. O que a gente espera com a vinda do banco para cá é que aumente a qualidade do tecido, que esse tecido para ir e para voltar e a outra questão é que a cultura da doação possa ser ampliada atingindo outros municípios da região que também podem doar tecido”, afirmou o coordenador da SC Transplantes Joel de Andrade.