A estimativa populacional do IBGE em 2017 apontava que Morro Grande, no Extremo Sul do estado, possuía 2.915 habitantes. Já as estatísticas eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mostram que o pequeno município possui 2.966 eleitores aptos para comparecer às urnas em outubro. Ou seja, há mais eleitores que habitantes. O mesmo acontece na Amrec: Treviso possui 3.863 moradores e 4.076 pessoas aptas a votar.

A diferença ocorre, segundo o chefe de Cartório de Turvo, responsável pela Zona Eleitoral que abrange Morro Grande, Douglas Salém, porque não há revisão eleitoral recente na cidade. De acordo com ele, a última contagem de eleitores feita foi em 1999. “Existem muitas pessoas que se mudam, no entanto, não transferem seu título. Assim que ocorrer uma nova revisão, os números devem mudar”, explica Salém. Recentemente dois municípios da Zona tiveram revisão, Turvo e Ermo, a expectativa é que em 2019 dos dados dos restantes, Morro Grande, Jacinto Machado, Timbé do Sul e Meleiro, sejam atualizados.

O chefe de Cartório lembra que só permanecerão com título registrado no município aqueles que, de fato, tiverem vínculos comprovados.

Há dois anos alguns eleitores perderam o direito de votar porque não conseguiram comprovar a proximidade com o município. O caso também ocorreu no Extremo Sul, mas em Ermo. Na época o juiz eleitoral Manoel Donizete de Souza mandou serem cancelados 259 títulos de eleitor. Em 2016 os eleitores somavam 45% a mais de pessoas que a população estimada pelo IBGE.

Daquele número, cinco pessoas respondem hoje por inscrever título de eleitora de forma fraudulenta, crime previsto no Código Eleitoral. Os processos devem ser julgados, conforme Salém, em Outubro, em Turvo.

Correção até 2020

Em Treviso o problema se repete. De acordo com José Réus, que é Chefe de Cartório em Criciúma, que abrange a Zona Eleitoral da cidade vizinha, a última revisão foi feita em 2003. Contudo, segundo Réus, pelo município estar passando pelo processo de biometria, que todos precisam comprovar vínculos, e que acaba em 2020, nas próximas eleições municipais os cadastros estarão atualizados. “Não será uma revisão oficial, mas pode alterar estas estimativas”, esclarece.

Matheus Reis/DNSul.com