O projeto conceitual do AeroSatc 2018 foi desenvolvido a partir de novas metas para a competição da SAE Brasil Aerodesign. O objetivo é claro: ficar entre as 20 melhores posições na categoria regular, garantindo a permanência na série “A” da disputa. Saindo do conservadorismo e partindo para um modelo mais agressivo e arriscado, a turma de Engenharia Mecânica da Faculdade Satc construiu duas aeronaves para as provas de voo no evento e um protótipo que foi utilizado para validação de aerodinâmica, estabilidade e controle do avião. A equipe se dedicou para a criação do modelo ideal de avião e vai mostra-lo a partir de quarta-feira (31) em São José dos Campos (SP).

Traçando novos caminhos, os acadêmicos passaram por um processo de mudança de pensamentos e metas dentro da competição. “Não estamos indo lá para cumprir tabela e sim com o objetivo de conhecermos nossos limites, estipular o que temos de melhor no laboratório, os melhores materiais, softwares e métodos mais sofisticados para elaboração da aeronave”, destaca o acadêmico de Engenharia Mecânica e vice-capitão do projeto, Bruno Cardozo.

Este foi o primeiro ano que houve a construção do modelo da aeronave antes da entrega dos sete relatórios da equipe, solicitados pela organização da prova. “Foi de grande valia optarmos por esse método de construção de um protótipo para testes, pois conseguimos validar muitas coisas, além de otimizarmos mais tempos para a elaboração de um avião oficial com mais respaldo”, relata Cardozo.

Um diferencial do modelo projetado em 2018 é o seu peso, onde a equipe conseguiu diminuir em 30% do protótipo anterior. “Tínhamos um avião de 4,000 kg e agora conseguimos construí-lo com 2,900 kg com expectativa de voar com 11,000 kg de carga”, informa o acadêmico.

De acordo com o coordenador do projeto AeroSatc, Elvys Isaias Mercado Curi, os alunos realizaram várias pesquisas até chegarem ao melhor projeto. “Para se chegar nestes parâmetros deste protótipo, os alunos buscaram construir a aeronave com materiais de qualidade e resistentes, como a fibra de carbono, madeira balsa e alumínio aeronáutico”, frisa o professor.
Outro aspecto que caracteriza o projeto 2018 foi o desenvolvimento da otimização multidisciplinar e a simulação tridimensional.

Desenvolvimento prático

A proposta desenvolvida na Faculdade Satc estimula o conhecimento e a expertise dos alunos para novas áreas de atuação. O processo de ensino e aprendizagem cria novas métodos educativos e que estimulam o diferencial de cada acadêmico.
Para Cardozo, o desenvolvimento do polo aeronáutico na Satc faz com que pensem em novos ramos de atuação. “Estar na equipe me faz correr muito mais atrás do que eu vejo em sala de aula, pois o professor é o mentor e o aprender e buscar novas resoluções é por conta do aluno”, enfatiza.

A preparação para o mercado de trabalho vai além dos laboratórios e teorias estudadas. “O projeto acaba desenvolvendo nosso espírito de liderança, disciplina e comprometimento. É incrível, porque a partir do momento que entrei o AeroSatc a faculdade flui tão naturalmente que é algo que eu não esperava”, salienta o vice-capitão.

Conforme Curi, a cada ano de competição o grupo aprende um pouco mais e agora já aprimoraram os conhecimentos. “Os alunos aprendem a pesquisar, a valorizar estudo científico, a terem autonomia no processo de aprendizagem e assim ficam com fome de sabedoria”, evidencia.

Saiba mais
SAE Brasil Aerodesign, é um programa de competição que visa desafiar estudantes de Engenharia a desenvolverem um projeto aeronáutico. O evento ocorre entre os dias 31 de outubro a 4 de novembro no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) na cidade de São José dos Campos (SP). A competição envolve 60 equipes.

Texto: Eloise de Lima, acadêmica de Jornalismo Satc.

Assessoria de Imprensa da Satc (www.satc.edu.br)